19 maio 2012

A GERAÇÃO Y

 
Se relacionar bem com as pessoas pode ser, muitas vezes, um desafio. Se de pessoa para pessoa já existem diferenças nas crenças, valores e atitudes, imagine a quantidade de mudanças de uma geração para a outra... (fonte: http://www.meubolsoemdia.com.br.)
 Usualmente temos classificado as pessoas que nasceram entre 1980 e 2000 como membros da geração “Y”. Estas pessoas cresceram em um ambiente de maior prosperidade econômica  e grande desenvolvimento da tecnologia, isto proporcionou uma mudança comportamental profunda se comparados com as gerações anteriores trazendo a tona um enorme desafio de gerenciar, promover e reter os talentos deste grupo de pessoas.

 
A GERAÇÃO Y
Comparando a geração Y com as gerações anteriores, é possível concluir que essa nova geração agrega um pouco de cada uma delas, mas possui um estilo próprio. As gerações anteriores eram mais comunitárias, gostavam de coisas que envolvesse gente, gostava de conversas pessoais e pensavam em ter um só emprego na vida. Ainda antes da geração Y, a chamada geração X já começou a apresentar alguns traços de mudanças, como trocas mais constantes de emprego, visto que queriam administrar a própria carreira sem a intenção de criar um vínculo em uma empresa somente. A Geração Y é comunitária e individual ao mesmo tempo, e por ser uma geração tecnológica, gosta de ter contato, mas na maioria das vezes esses contatos não são pessoais, visto que sua forma de comunicação preferida é a forma tecnológica, como celulares e internet, o que acaba afastando um pouco o contato pessoal.
               Atualmente, as gerações convivem juntas no trabalho, e a geração Y representa a maior parte nesse mercado. O que ocorre é que grande parte da liderança nas empresas não pertencem a essa geração, e tem dificuldades em entender e se adaptar a eles. Segundo entrevista de Max Gehringer pela rádio CBN, as principais dificuldades que os gestores enfrentam ao lidar com a geração Y são as seguintes:
 
·     Rotatividade Alta
·         Queixas Constantes
·         Interesse Mínimo

Essas dificuldades se refletem nas estatísticas apresentadas abaixo, diante de uma amostragem pesquisada:
·         84% dos jovens querem ser ouvidos
·         65% consideram que a empresa os ouve
·         82% buscam equilíbrio entre o trabalho e qualidade de vida
·         52% não têm esse equilíbrio e ainda se sentem estressados no trabalho
·         87% desejam que a empresa dê oportunidade para aprender continuamente
·         25% deles estão tendo essas oportunidades
·         78% querem reconhecimento por méritos
·         27% afirmam que estão tendo
Ou seja, os jovens da geração Y não apreciam a hierarquia rígida, e acreditam que o poder na empresa pode ser compartilhado. Eles estão preocupados com questões sociais e ambientais, e querem trabalhar em empresas que enxerguem além dos resultados financeiros. Quando os jovens que querem tudo isso entram numa empresa há um choque. A solução apresentada por Max Gehringer é a mesma utilizada com a geração hippie, que mudou a maneira do mundo pensar, mas também se adaptou a algumas exigências do mercado de trabalho. São os jovens da geração Y que irão ditar as regras do mercado quando atingirem cargos gerenciais; eles abrirão mão de alguns de seus sonhos, mas transformarão outros em normas. A recomendação é que os gestores atuais tentem entender a geração Y somente por precaução, pois em um futuro não muito distante essa geração estará no poder e irá decidir quem merece um emprego.
Também pela CBN de acordo com entrevista realizada com Carla Spotorno, editora executiva da Época Negócios, a geração Y só respeita a autoridade quando dialoga, quando se explica as necessidades daquilo que é pedido, diferentemente das gerações anteriores que era mais coercitiva, sendo o motivo dos principais conflitos entre as gerações. Daí vem a necessidade de uma geração entender a outra, para identificar as características e elaborar novas formas de lidar com elas no trabalho. Atualmente, o mundo corporativo é marcado por mudanças constantes, o que exige cada vez mais a capacidade de adaptação das pessoas à essas novas características.
Segundo Carla, a geração Y é uma geração mais ansiosa, espera promoções por méritos e resultados, e não por tempo de serviço. Trocam de emprego rápido quando percebem que o mundo da empresa não é o mesmo mundo deles; eles ficam somente naquela empresa com que eles se identificam, que tenha uma cultura e projetos que vão de encontro com os interesses deles.
Atualmente há um conflito de até quatro gerações no mundo corporativo; as empresas que não tentam entender e se adaptar a essas características acabam ficando para trás.
REFLEXÃO
 É preciso ter em mente que as fórmulas antigas não funcionam mais, tanto para os que jovens desta geração que estão ou estarão no mercado de trabalho, quanto para os que lideram ou irão liderar essa geração. O mercado de trabalho e as relações corporativas passam por uma revolução e é preciso também se renovar.
CARACTERÍSTICAS DA GERAÇÃO Y

        As características abaixo apresentadas refletem bem a geração Y e propõem formas de se pensar como lidar e como se adaptar a essa geração, que forma praticamente 80% do quadro da empresa. São informações fornecidas pelo professor da Fundação Getúlio Vargas, João Baptista Brandão.
A RESPONSABILIDADE

Ele é muito responsável, com aquilo pelo qual é responsabilizado. Assim, ele pode sair no meio da tarde de uma quarta-feira "pesada", para ficar com a namorada que está febril; ele se sente também responsável por ela. E vai mandar para o chefe, de madrugada, por e-mail, o projeto pelo qual é responsável.
O AMBIENTE DE TRABALHO

Ele é alegre. Ele não concorda que um ambiente de trabalho sério tem que ser triste. Portanto, não estranhe se, quando a "casa parecer que está caindo", ele se comportar com um espírito leve; ele vai continuar enfrentando os desafios muito seriamente, mas nem por isso vai ficar triste. Preocupado, sim, mas não infeliz.
O SIGNIFICADO DA REMUNERAÇÃO

Ele gosta de receber o combinado; aliás, ele entende salário como algo associado a orçamento - o salário é para "pagar as contas". Ele gosta mesmo é de "ganhar": ganhar bônus, premiação. Ele gosta de ganhar para poder "gastar" - em roupas, viagens, carro, computadores.
O ENVOLVIMENTO NO TRABALHO

Ele adora pular de site em site quando está navegando na internet. Não gosta, ou não tem paciência para coisas muito longas, demoradas. Aliás, ele consegue navegar na internet, ao mesmo tempo "falar" no messenger e, se for o caso, também falar, agora literalmente, no celular. Por isso, para "agarrá-lo", "quebre" os objetivos ou programas da empresa em projetos; projetos têm começo, meio e fim definidos, têm resultados palpáveis, têm superação evidente de obstáculos, oferecem oportunidades concretas de vitórias, em geral no curto prazo. Ele se "amarra" nisso. De preferência, o coloque em mais de um projeto - senão ele pode ficar aborrecido.
A RELAÇÃO COM NORMAS, REGRAS E SUBORDINAÇÃO FUNCIONAL

Não o engesse muito com normas bobas, como rígidas regras de vestimentas, com formalismos exagerados. Ele respeita as pessoas, e mesmo organizações, e gosta de ser respeitado, pelo caráter, pela transparência, pela espontaneidade. Ele se "subordina" a vínculos e não a cargos. Seu critério de julgamento é a consciência e não a obediência.
ACOMPANHAMENTO E RECONHECIMENTO

Ele demanda muito feedback. Ele gosta de autonomia, mas "precisa" receber dicas de como está indo seu trabalho, sua performance - não só para corrigir alguma coisa mas, talvez, e talvez principalmente, porque ele é "movido" a elogios. Adora ser reconhecido.
A "PROFUNDIDADE" CULTURAL
 
Ele tem também pouco "treino" com processos cognitivos escritos mais profundos ou complexos; assim, não é um grande leitor de obras literárias mais "densas". Também não tem "saco", e preparo, para ouvir ou produzir argumentações muito elaboradas - ele quer chegar rapidamente aos "finalmente". Por isso, você, líder de um cara desses, tem um papel crítico, o papel de "formador", estimulador para ajudá-lo a ser, daqui a dez anos, também um homem mais pleno, profundo, complexo. Se você conseguir isso, não será apenas um "belo" líder...em alguns casos, será também um mágico!
O LIMIAR DE RESISTÊNCIA

Esse cara não tem paciência para promessas do tipo "no futuro, lá na frente, você terá seu valor reconhecido, poderá ser promovido etc.". Em geral, ele não é orientado por fins; ele é orientado por meios - ele quer ter desafios agora, ter reconhecimento agora, viver bem agora. Em muitos casos, depois de seis meses na empresa já diz estar desmotivado porque não sabe direito quando vai ser diretor! Em suma: ele não lida muito bem com restrições, limitações, frustrações. E você, líder, se conseguir ajudá-lo nisso, não será apenas um mágico... Aí você já está se candidatando a santo!
ENTÃO, POR QUE VALE A PENA CUIDAR BEM DO CARA?

Mas, vale a pena, não? Afinal, é esse o cara que vai comandar as empresas e o país lá na frente. E que, agora, é uma das suas mais poderosas fontes de inovação - e, portanto, da competitividade da sua empresa.
Além disso, ele não é apenas uma "promessa". Ele também pode ser bom agora. Ele aprende e trabalha com facilidade em rede; ele se interessa ou domina algumas dimensões ou expertises profissionais que geram processos ou produtos inovadores; possui intensa energia que resulta em superação de obstáculos com muitas restrições de qualidade, eficiência e tempo; ele está disponível para a ampliação de fronteiras geográficas, culturais ou de competências; ele não se conforma com desempenho medíocre. Enfim, "bem gerenciado", é um profissional que se pode chamar de "alta performance".
  

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obrigado pelo seu comentário e volte sempre!

Informativo KMM

COMUNICAÇÃO ORGANIZACIONAL

BLOG: Informativo KMM

Minha foto

Com bela fotografia e conteúdos ecléticos, o BLOG Informativo KMM tornou-se um guia indispensável para o encontro dos profissionais e empresas do setor. Acompanhe e VISITE O BLOG! http://informativokmm.blogspot.com.br