08 agosto 2012

‘Valente’ Idealizadores da animação tentam falar com crianças e adultos


 

 

Você já viu heroínas feministas na animação, garotas que até mesmo se disfarçam como homens para conseguir mostrar seu valor. Basta se lembrar de Mulan, animação da Disney inspirada numa velha lenda chinesa. Mas você nunca viu nada parecido com a nova animação da Pixar/Disney. Para início de conversa, Valente é a primeira animação da parceria coassinada por uma mulher, Brenda Chapman. Numa entrevista por telefone, a produtora Katherine Serfian e o codiretor Mark Andrews falam do filme que estreiou em 20 de julho no Brasil. Katherine diz que gostaria que Brenda tivesse assinado o filme sozinha, Andrews destaca o que há de revolucionário na cabeleira ruiva da obstinada heroína, tão boa de arco que participa da disputa que vai definir quem será seu marido. 


 


Como se isso não bastasse – a heroína que se disfarça, humilha os pretendentes, todos príncipes, e quase leva o reino à guerra -, a massa de cabelos ruivos de Merida (é seu nome) já virou um marco na história da animação, e por dois motivos. Pelo que representa, metaforicamente, e pelo desafio técnico que foi criar na tela aqueles fios esvoaçantes. Ruivas fogosas têm cruzado a tela, e a fordiana Maureen O’Hara e Rita Hayworth foram apenas duas delas. Maureen foi uma inesquecível irlandesa de maus bofes em Depois do Vendaval - Merida é escocesa, mas, sim, existem nela ecos da Mary Kate Danaher de John Ford. Quanto à técnica, os cabelos de Merida consumiram quase dois dos quatro anos que durou toda a produção e há outra cena com água que também monopolizou os técnicos e artistas da Pixar/Disney por mais um ano. O resultado impressiona, com certeza.
O desenvolvimento tecnológico da animação é uma das consequências da nova era digitalizada do cinema. As animações ficaram tão perfeitas que está cada vez mais fácil aceitar um rato como herói (Ratatouille). Praticamente não existe mais diferença da live action. É mesmo? Katherine faz a ressalva – “A diferença persiste, sim. Tudo o que se refere à vida vegetal e animal, aos cenários de Valente é de um realismo extremo e minucioso. Se tivéssemos filmado em live action, nada daquilo seria mais verdadeiro. Mas a heroína e seus pais, e os pretendentes, pertencem ao domínio da fantasia. Não existe gente como aquela de verdade, digo do ponto de vista físico. Se fosse para fazer uma animação 100% real, você pode estar certo de que nós, da Pixar, teríamos feito Valente em live action.”
Embora seja uma companhia jovem, o sucesso da Pixar e seu impacto sobre as novas ferramentas da animação já levaram ao surgimento de vários livros contando a história do estúdio e tentando explicar seu extraordinário sucesso. A Pixar surgiu como divisão da Lucasfilm e só ganhou esse nome quando George Lucas, numa decisão que a revista Total Film definiu em 2004 como a sexta mais idiota da história do cinema, vendeu a Graphics Group, como se chamava, para Steve Jobs. Foi quando ela foi rebatizada como Pixar, uma combinação de ‘pixel’ com ‘art’. Com a Pixar, a animação ingressou na era completamente computadorizada. A ideia era fazer arte com pixels. Como a molécula que constitui a matéria, o pixel é o elemento básico da construção da imagem digital. Ela é feita por camadas, num processo lento e delicado, explica Katherine.
Até chegar a fazer sucesso, a Pixar perdeu muito dinheiro de Jobs. Em 1991, associou-se à Disney para uma série de três animações. Foi assim que foram surgindo os marcos do estúdio - Toy Story (1, 2 e 3), Carros (o 1), Up – Altas Aventuras. “Não conseguiria ser sucinto na tentativa de explicar o sucesso da Pixar”, diz Andrews. “Seria precioso um livro inteiro só para isso, mas alguns elementos foram decisivos. O entusiasmo de John (Lasseter), que reuniu uma equipe jovem e motivada; o fato de ele delegar decisões e transformar cada projeto numa aventura ao mesmo tempo individual e coletiva – todos opinam e contribuem, mas quando o filme é seu, é seu; e finalmente, o tempo que é despendido nos roteiros. O de Valente trata da heroína que precisa se superar, para crescer emocionalmente, e da família que precisa superar seus traumas e medos.”


Uma maldição transforma a mãe num urso, justamente o animal, em toda a criação, que o pai, o rei, mais odeia (e dedicou a vida a destruir). Forma-se a inusitada situação de a heroína ter de proteger a mãe do próprio pai, numa trama cheia de duplos e significados ocultos. Isso não corre o risco de transformar Valente numa narrativa para adultos, mais do que crianças? “A grande inovação da Pixar talvez tenha sido justamente buscar o crossover, fazendo filmes não apenas para crianças, mas para a criança que resiste nos adultos. Nossas histórias possuem um certo grau, não vou dizer profundo, mas complexo, de elementos e sentimentos. Tratam da perda, da dor, da superação. Isso é adulto? Com certeza. Mas as crianças dispõem hoje de mais informação que em qualquer época da história. Aos 5 anos, uma criança já sabe hoje mais do que um adulto de 50 no passado. O que ela ainda não sabe é processar as informações. Os filmes da Pixar oferecem ferramentas para isso. Valente é sobre uma garota que se autodescobre e amadurece”, resume Andrews.

Fontes: Estadão e http://acessototalrevista.org
Colaborou: Vagner Amorim

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obrigado pelo seu comentário e volte sempre!

Informativo KMM

COMUNICAÇÃO ORGANIZACIONAL

BLOG: Informativo KMM

Minha foto

Com bela fotografia e conteúdos ecléticos, o BLOG Informativo KMM tornou-se um guia indispensável para o encontro dos profissionais e empresas do setor. Acompanhe e VISITE O BLOG! http://informativokmm.blogspot.com.br