19 agosto 2012

CHEIAS DE CHARME! O show de charme e talento de Taís Araújo, Leandra Leal e Isabelle Drummond!



As Empreguetes vão se separar. Isso mesmo! Desculpe falar assim na lata, mas, mesmo eu que já esperasse por isso, recebi a notícia com muito sofrimento. Chayene (Cláudia Abreu) e Socorro (Titina Medeiros) tanto aprontam que conseguirão jogar Rosário (Leandra Leal) contra as amigas e ela decidira partir para uma carreira solo. Essa reviravolta em Cheias de Charme vai causar uma comoção popular dentro e fora da trama e é mesmo o que os autores, Filipe Miguez e Izabel de Oliveira, esperam. É impressionante a comunicação que os dois estabeleceram com o público e também com seu elenco. Todos estão extraordinários. Da ladra de cena Cláudia Abreu até novidades como Titina Medeiros e Fábio Kepo e veteranos coadjuvantes como Tato Gabus Mendes, Daniel Dantas e Maria Pompeo. Todo mundo tem espaço para brilhar. Mas o que realmente me impressiona na trama das 7 é a forma como Filipe e Izabel conseguiram criar e manter um enredo com três protagonistas sem ninguém sobre ou tenha menos destaque. Penha, Rosário e Cida têm o mesmo espaço, o que é raríssimo. Basta lembrar que em Quatro Por Quatro (1994) foi quase impossível fazer com que as quatro protagonistas (Elizabeth Savalla, Cristiana Oliveira, Letícia Spiller e Betty Lago) estivessem no mesmo nível. Mas, além do trabalho extraordinário dos autores, grande parte do mérito está nas mãos de Taís Araújo, Leandra Leal e Isabelle Drummond, três jovens e talentosíssimas atrizes. Elas já deixaram suas marcas em outros trabalhos – Taís em Xica da Silva (1996) e Cobras & Lagartos (2005), Leandra Leal em A Muralha (1998) O Cravo e a Rosa (2000) e Isabelle no Sítio do Picapau Amarelo (2001/2006) e em Caras & Bocas (2009). Só que duvido se o trio não considere Penha, Rosário e Cida o ponto mais alto de suas vitoriosas carreiras.


 


Taís Araújo tem nas mãos uma mulher do povo. Penha poderia ser amiga da Monalisa (Heloísa Perissé) e da Olenka (Fabiula Nascimento), no Divino de Avenida Brasil. Ou aquela empreguete despachada e divertida que limpava sua casa toda semana. Penha encontrou em Taís sua intérprete ideal e a atriz emprestou à ex-doméstica o carisma que ela precisava. Além de dar humanidade a uma personagem que poderia facilmente cair na caricatura, Taís ainda consegue o mais difícil: transitar com a mesma habilidade pelo drama e pelo humor. Ela está hilariante com os trejeitos e linguajar da Penha e amo seus bordões: “Vou te dizer uma coisa pra você” e “Você está linda de bonita”. Mas ela também dá um show nas (muitas) cenas dramáticas, geralmente causadas pelas picaretagens do ex-marido, Sandro (Marcos Palmeira). Um desafio e tanto que ela cumpre brilhantemente. Sem falar que, além de formar uma boa parceria com Palmeira, vem criando um belo par romântico com Leopoldo Pacheco (Otto Werneck). E ainda tem Marcos Pasquim (Gilson) chegando por aí… Parabéns, Taís, você está um arraso. 


Com Leandra Leal não é diferente. Ela praticamente cresceu em frente às câmeras. De pequena notável, virou uma atriz madura, forte e sempre certeira. Leandra é natural e não se rende a grandes ou pequenos papeis. O que importa é a intensidade de sua atuação. E, com isso, não há erro. Rosário é a mais sonhadora das Empreguetes. É dela o desejo genuíno de trilhar uma carreira artística e a atriz dá vida a esse desejo de forma muito inteligente e perspicaz. Não é piegas, muito menos bobinha. O sonho nunca ficou no terreno do imaginário. Pelo contrário! Desde o primeiro capítulo que Rosário vem batalhando arduamente para se tornar uma estrela da música. E Leandra faz a gente acreditar e torcer por sua personagem com força total. Ela ainda nos revelou uma voz gostosa, que foi uma das gratas surpresas da novela. Leandra é sinônimo de qualidade e credibilidade e isso não e pouco não, galera! Dá gosto de ver essa garota em cena.


Isabelle Drummond foi a única atriz mirim a interpretar uma das personagens mais ricas e complexas da literatura brasileira: A boneca de pano, Emília do Sítio do Picapau Amarelo, de Monteiro Lobato. E fez isso com tanto brilhantismo que já deixou claro que ela não seria apenas mais um talento que sumiria com o tempo. Com um talento monstruoso, tão precocemente revelado, Isabelle anunciava que havia chegado para ficar e que o estrelato era apenas questão de tempo. Isabelle e daqueles talentos natos e faz parte do time de Gloria Pires. Com ela interpretar é como respirar. É natural, não desperdiça absolutamente qualquer cena, fala ou sentimento. Tudo é minuciosamente calculado e entregue ao público na medida certa. Cida é uma gata borralheira moderna, mas que sofreu sem jamais se lamentar ou se entregar. Tem fibra e personalidade forte, sem perder a doçura. Uma característica, aliás, que Isabelle sabe empregar como poucas a suas personagens. É uma delícia acompanhar o crescimento e a evolução dessa menina, hoje moça, quase mulher. E que bom saber que, para ela, o céu é o limite. Ainda vamos ser presenteados com muitas e muitas atuações inesquecíveis dessa jovem veterana. Mas, até outubro, é na pele de Cida, que ela completa com maestria o triângulo de exuberância das heroínas de Cheias de Charme. Aliás, charme e talento, não faltam a Taís Araújo, Leandra Leal e Isabelle Drummond. Graças a Deus!
 

Fonte: Contigo

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obrigado pelo seu comentário e volte sempre!

Informativo KMM

COMUNICAÇÃO ORGANIZACIONAL

BLOG: Informativo KMM

Minha foto

Com bela fotografia e conteúdos ecléticos, o BLOG Informativo KMM tornou-se um guia indispensável para o encontro dos profissionais e empresas do setor. Acompanhe e VISITE O BLOG! http://informativokmm.blogspot.com.br