16 abril 2013

Helder Dias, a trajetória do empresário, dono da maior agência segmentada ao público negro do Brasil

por Ruth Lopes e Priscilla Arantes


 

Helder Dias é bem sucedido no mundo da moda e publicidade, saiu de Alagoinha, interior da Bahia, para São Paulo na década de 1990,  carregando uma bagagem de sonhos. Como muitos retirantes daquela época Helder venceu nadando contra a maré da sociedade paulistana, se encaixando em algumas minorias, negro, nordestino e pobre. Mas isso não o impediu de ir mais além e criar a Agência HDA direcionada exclusivamente para modelos negros.
Tudo isso numa época em que a comunicação era limitada. A internet era inexistente para o grande público. Não teve o apoio das redes sociais e da informação instantânea.
Conversamos com esse vencedor que nos contou sobre sua trajetórias e inspirações. Confira!

Como começou seu interesse pela moda?
Em 1986, uma professora de moda, Cristina Rolim, foi ministrar um curso de modelo, em Alagoinhas. Na época, o curso custava 1800 cruzados novos, muito dinheiro e eu não tinha, então, sugeri uma parceria, eu, que sempre desenhei, faria os cartazes de silk screen para divulgar o curso e ela me daria a bolsa. Ela aceitou. Fiz o curso e depois ela voltou pra Salvador e sempre me chamava para dar suporte nos cursos que ela ministrava lá.


 

Você sempre soube que carreira queria seguir ou durante o caminho existiram dúvidas?
Eu sempre soube. Desde pequeno eu dizia pra minha mãe que eu queria ser importante. Mas quando eu comecei a trabalhar com a Cristina eu ainda não sabia como eu faria isso. Mas em determinado momento ele anunciou que iria se casar com um italiano e antes de se mudar pra Itália me deixou responsável por todo o trabalho que desenvolvia em Salvador. Num treinamento de uma semana ele me apresentou para as pessoas como seu sucessor. Eu ia todos os dias pra Salvador e a noite voltava para Alagoinhas. 108 km. E quando eu não tinha dinheiro para voltar, eu dormia na rodoviária. Na casa dela eu sempre entrava e saía pela porta de serviços. Ela morava com a tia num bairro nobre de Salvador. Isso me marcou muito. Depois disso comecei a ministrar os cursos em Alagoinhas.
Você inscreveu a Rai, sua irmã , no primeiro concurso expressivo de beleza negra do país. Como foi isso?
Rai não queria que eu a inscrevesse porque ela dizia que, em São Paulo,  eles estariam procurando mulheres negras, mas de pele clara e traços finos. Mesmo assim eu fiz a inscrição e mandei o material. Foram 15 mil inscritas e a organização escolheu 17 meninas, entre elas a Rai (Helder se emociona…). Não tínhamos dinheiro pra ir para SP. Mas fomos.  No ônibus, fazíamos palhaçadas e as pessoa nos davam comida. No final, Rai ganhou o concurso, mas foi uma confusão, porque algumas pessoas que não concordaram com o resultado invadiram o camarim.  Com isso me aproximei muito da Rita, dona da agência New Company ,responsável pelo concurso.
Por 10 anos você ministrou o curso “Helder Dias manequins e modelos”. Sua vinda para São Paulo foi por conta do concurso? Como foi sua mudança para a capital paulistana?
A Rita me contratou. Por dois anos eu morei na casa que era nos fundos da agência e ministrava os curso de modelo. Formei mais de mil pessoas. E mais uma vez uma pessoa me ensina e vai embora. A Rita foi para a Alemanha. Depois disso passei necessidades para me manter em São Paulo e voltei pra Aracaju. E uma amiga da minha irmã tinha um apartamento em SP e estava precisando de uma pessoa pra cuidar. Foi quando eu voltei.


 

Foi nesse momento que surgiu a HDA?
Sim. Comecei a agenciar as modelos para propagandas e para eu receber  pelo meu trabalho eu precisava ter uma agência formal, conta bancária.  E na verdade, eu agenciava na sala do apartamento que nem móveis tinha. E aos poucos tudo foi se acertando até chegar aqui, a sede da HDA.
E como funciona o trabalho da HDA?
Quando eu resolvi abrir a HDA eu sempre pensei em ter tudo de melhor para apresentação do meu trabalho. O melhor cartão de visitas, o melhor site. Quando eu ligava para os clientes e dizia que eu tinha uma agência de modelos negras, ninguém queria me receber. Então, eu dizia que “fulano de tal” me indicou, à partir dessa abordagem a primeira porta já se abria e eles me pediam pra mandar material, pra que eu fosse visto eu precisava ter o melhor material.
Você tem uma postura firme em relação ao que defende, que são modelos negras.
Sim. Sempre tive a postura e falar o que penso foi uma forma de me defender. Aos poucos a mídia observou que eu tenho as melhores negras do mercado e fui intitulado “o criador das Barbies negras”. E na inauguração da USP Zona Leste a Naomi Campbell esteve aqui (na agência HDA) e isso trouxe mais visibilidade e respeito ao meu trabalho. Em seguida, fui para África e passei 25 dias lá com 20 modelos. Isso também virou assunto e trouxe mais visibilidade. E as coisas foram acontecendo.
Você mencionou que foi destratado diversas vezes. Você sabe me dizer a que se deve isso? Se pelo fato de você ser negro, ativamente combatente…
Eu acredito que o problema não está só no fato de ser negro, mas sim no poder de compra do negro. Se você tem poder de compra, tem um tratamento. Se não tem o tratamento é outro. Naquela época eu deixava muito evidente por meio de códigos as minhas diferenças sociais e econômicas. E me enxergavam de outra forma. Mas eu sempre tive a autoestima valorizada. Quando eu comprei um carro importado o tratamento começou a melhorar. Quando minha modelos começaram a fazer campanhas expressivas no Brasil e no mundo os clientes começaram a mudar a linguagem e a forma de falar comigo. As coisas mudaram e eu passei a escolher os clientes.
Como você vê a relação Fashion Week e modelos negros? Qual é o seu posicionamento hoje?
Sobre a São Paulo Fashion Week eu caí de paraquedas, em nenhum momento eu fui lá reivindicar nada. Eu tenho um bom produto e eu apresento, se o cliente quiser contratar ótimo senão o problema é dele. O que aconteceu foi que o Frei Davi entrou com uma petição na justiça reivindicando a inclusão de modelos negros na semana de moda de São Paulo e foi para a porta do evento fazer barulho. Mas isso foi divulgado como se fosse um movimento organizado pelo Helder Dias. Alguns estilistas deram entrevistas dizendo que eu estava querendo aparecer e por isso não iria contratar nenhuma modelo da HDA. A imprensa espontaneamente começou a me procurar e como a exposição da minha imagem já tinha acontecido de forma pejorativa, eu comecei a dar nomes aos bois e dizer o que eu achava. Foi quando eu falei que o Frei Davi me procurou, o Ministério Público me intimou duas vezes para que eu pudesse expor a minha versão diante da alegação do Frei e aí o assunto ganhou proporções internacionais. Mas eu nunca tive contato com o Paulo Borges, não o conheço e nem sei das suas pretensões com a raça negra. Hoje eu percebi que o meu trabalho está muito além da SPFW. Me graduei em moda para entender e conquistar novas possibilidades e aumentar  a visibilidade do  meu trabalho.
Hoje indústria entende que o negro não vende?
Não isso já passou. Isso é coisa do passado.
E por que essa representação não se dá na mesma proporção?
O país é dominado por brancos. O poder aquisitivo vem dos brancos, e apesar da população brasileira representar 50% desse contingente, quem dita as regras são os brancos.
Hoje, no século XXI, 2012 é que o negro começa a ocupar caminhos políticos, científicos e acredito que num futuro muito próximo isso já  seja mais evidente. Foi o caso da presidente Dilma que passou pela ditadura, a mulher para chegar a presidência passou muitas situações.
Há alguns anos, o Diogo Mainardi fez uma declaração polêmica e foi crucificado, “Não venha cobrar de nós como agência e sim do cliente que veta a modelo negra”. Isso se perpetua?
Em alguns casos sim. A publicidade criou segmentos. Quando são campanhas governamentais, aí o Brasil tem cor. Quando são campanhas de empresas internacionais, o negro é exótico ou diferente dos “padrões”, é músico ou tem um cabelo black power, ele tem alguma característica física que associa ao produto. Hoje a sociedade percebeu que a classe D e C são classes consumidoras e começaram a desenvolver produtos voltados para essa classe emergente. E como o negro passou a consumir mais e para o capitalismo o que importa é o consumo começaram a dar visibilidade ao negro.
Hoje, no século XXI, 2012 é que o negro começa a ocupar caminhos políticos, científicos e acredito que num futuro muito próximo isso já  seja mais evidente.
Hoje o mercado de cosméticos, por exemplo, vende 42% de seus produtos para pessoas negras e não representa essas pessoas.
Clientes de cosméticos quando ligam para pedir modelos eles pedem modelos claras, que fique com cara de branca e com traços finos. E a representação do negro na publicidade é feita por modelos negras de pele clara.

De um ano pra cá, eu tenho ouvido que o mercado não consegue a interlocução com as mulheres negras, o mercado já entendeu que a mulher negra mudou, que o poder de compra aumentou, que ela está no mercado de trabalho, que o perfil mudou e vem sido chamado da “Era Michele Obama”. O que você acha disso?
Eu acredito que os profissionais negros precisam se reunir para suprir essa demanda. A Ruth que tem um site, a Isabel que tem uma gráfica, a Márcia que tem uma agência de publicidade… E assim fazer um elo de ligação e começar a consumir o que produzimos.

A HDA Models trabalha a imagem e a postura de seus modelos. A responsabilidade é muito mais sócio-cultural do que física,  “trabalhamos o perfil da pessoa, pele, comportamento, autoestima, alimentação”, afirma Lucas, booker da agência. A questão da autoestima é ponto chave para o resultado final. A mulher que se ama exala beleza física e interior.

Para saber mais sobre a agência e sobre esse profissional acesse HDA Models.

por Mulher Negra e Cia | 13/07/2012 
http://www.mulhernegraecia.com.br

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obrigado pelo seu comentário e volte sempre!

Informativo KMM

COMUNICAÇÃO ORGANIZACIONAL

BLOG: Informativo KMM

Minha foto

Com bela fotografia e conteúdos ecléticos, o BLOG Informativo KMM tornou-se um guia indispensável para o encontro dos profissionais e empresas do setor. Acompanhe e VISITE O BLOG! http://informativokmm.blogspot.com.br