06 julho 2013

MODELS! SEMPRE NO TOPO!

por  RENATA PIZA/ ELLE FASHION REPÓRTER


Com personalidade para dar e vender, as tops dos anos 1990 marcaram toda uma geração - e voltam à tona.

Se você tem menos de 30 anos, provavelmente acredita que o termo supermodel começou na era Gisele Bündchen. Mas, bem antes de a brasileira estourar, um sexteto de tops - que não eram apenas cabides na passarela, mas mulheres cheias de atitude - mudou de vez a profissão e, por que não?, toda a indústria da moda.
Cindy, Naomi, Claudia, Linda, Christy e Kate, conhecidas assim, só pelo primeiro nome, foram as primeiras modelos a vender uma imagem própria - e não apenas roupas. Idolatradas por toda uma geração, cada uma delas ajudou a criar uma estética particular, com direito a sua própria legião de fãs (algo como as cantoras de rádio dos anos 1930). Imagem: GETTY


294-modelos-1990
 

As cindymaníacas sonhavam com uma boa pinta perto da boca, marca registrada da americana. Naomi Campbell deu voz e corpo às mulheres negras - foi a primeira a ganhar status de top e se transformar em ícone de beleza. Claudia Schiffer, a alemã perfeita, com longos cabelos loiros, era a encarnação da Barbie, enquanto Linda Evangelista chamava a atenção pelo oposto: cabelos curtinhos, que destacavam olhos inacreditáveis, meio mulher, meio pantera. Representando duas vertentes diferentes, Christy Turlington era "o" corpo da década e Kate Moss, a mais magra de todas, a personificação da imagem heroin chic, criticada por muitos, amada por outros. O mais incrível? Mesmo mais de 20 anos depois, elas continuam sendo copiadas e desejadas - não à toa, marcas de cosméticos, como a Rimmel, da Inglaterra, continuam escalando Kate Moss como garota-propaganda, no auge de seus 38 anos. Algo impensável em um mercado que até outro dia decretava a aposentadoria das modelos depois dos 25 anos.
"Algumas estão no mercado até hoje com a mesma ou até maior importância. Elas são exemplos, um patamar a ser alcançado. As modelos atuais não pensam em ser maiores do que Kate Moss. Elas sonham em ser um pouco do que ela foi e é!", diz Junio Becker, booker da agência Mega.
Claro, ter uma supermodel perto de você é garantia de burburinho e de vendas em massa - foi assim, em 2005, com Naomi gingando na TNG; em 2007, com Kate Moss ajudando a acabar com o estoque da Topshop; em 2010, com Christy na campanha da Louis Vuitton; e, em 2012, com a mesma Naomi causando no desfile de verão 2013 de Zac Posen.
No auge da revalorização das curvas e da imagem de uma mulher mais real (elas tiveram altos e baixos, na vida profissional ou na pessoal, como todas as mortais), essas mulheres suporpoderosas têm tudo a ver com o momento, além de continuarem representando poder e fascínio, como espécies raras.
Para quem não acompanhou essa história desde o começo, fica aqui a dica: o clipe Freedom!, de George Michael. Mesmo para quem viu a estreia dele na MTV, revê-lo no YouTube traz a mesma sensação de outrora - ser uma Cindy Crowford ou uma Christy Turlington era, de fato, o maior sonho de consumo de qualquer uma na Terra.


 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obrigado pelo seu comentário e volte sempre!

Informativo KMM

COMUNICAÇÃO ORGANIZACIONAL

BLOG: Informativo KMM

Minha foto

Com bela fotografia e conteúdos ecléticos, o BLOG Informativo KMM tornou-se um guia indispensável para o encontro dos profissionais e empresas do setor. Acompanhe e VISITE O BLOG! http://informativokmm.blogspot.com.br